16 de dezembro de 2006

Lá vem ele

Sim, ele já está aí. Quem diria, o Natal está aí. Será o meu 25º neste ano. Nem parece que foram tantos. Mas este, mais do que todos, será especial. Mal posso esperar para chegar logo o Natal. Nunca estive tão ansioso assim. Além de toda a "magia" (não gosto deste termo, mas tudo bem) que cerca a data, é o único dia do ano em que vejo toda a parte "relevante" da minha família junta.

Nos reunimos em um clube, todo para nós, por dois dias. Já posso até ver: no domingo, de manhã, chegarei lá e verei logo meus primos Bruno e Marcel. Já fomos tão próximos e agora somos tão distantes. Conversaremos, falaremos besteira, atualizaremos nossas vidas uns para os outros. Depois, virão meus primos Luís Manoel, Heloísa e o resto todo. E meus cunhados, mãe e irmã. Meu pai não irá dessa vez. Não ouvirei ele dizendo "que caloooooooooooooooorrr" e "vai chovieeeeeeeeeeeeer". Nem fazendo suas piadas, as mesmas, para os parentes distantes. Vai fazer falta, ah, se vai.

Tomaremos cerveja. Sim, de manhã, é Natal, qual o problema? Jogaremos bola, cairemos na piscina, antes e depois do churrasco. À tarde, faremos filminhos bobos e jogaremos mais bola, cairemos mais na piscina e riremos, muito. Minha mãe chamará minha atenção: "cuidado para não sujar a camiseta, Nando!", como em todos os natais. Eu a sujarei, com certeza.

Minhas tias talvez passem um pouco de tempo me perguntando do meu novo emprego, minha recente mudança e tudo o mais. Logo desistirão, ao ver que continuo o mesmo moleque de sempre. No Natal, faço questão de não ser adulto. Ouviremos música, conversaremos sobre bandas. Contaremos piadas, riremos novamente.

À noite, reuniremos toda a família (os que não foram durante o dia irão estar presentes) para a ceia. Meu tio Jaime, que foi padre, conduzirá a oração. Falará do meu pai, então talvez eu chore. Minha mãe o vai, com certeza. Minhas irmãs também. Dirá, no entanto, que a vida na família se renova com o nascimento do filhinho da minha prima e a gravidez da minha irmã.

Comeremos, beberemos, nos fartaremos de nós mesmos, eu de minha alegria absoluta. Nada me deixará triste nesta noite. Nada. Dormirei com aquele sentimento infantil de quem tem que acordar cedo para uma excursão da escola. Acordarei para repetir tudo de novo no dia 25, o Natal propriamente dito. E serei feliz. Tenho certeza disso.

5 comentários:

Camila disse...

Lindo!!! Daí, no Carnaval a gente vai se fartar de nós mesmos (amei essa parte!) e da nossa alegria énimal, né??? Que a gente consiga criar outros momentos como esse em nossas vidas! Bjaum!

Daniel disse...

Não li o post porque achei muito grande.
Mas o natal é legal.

aquele cara disse...

Obrigado pelo apoio, Daniel. Fico lisonjeado. Camila: o carnaval vai ser foda. Mas, com todo o respeito e admiração que tenho por vocês, estou mais ansioso com o Natal mesmo. Beijo!

Camila disse...

Não quis comparar nada, mas enfim...

aquele cara disse...

Eu sei que você não quis comparar. Apenas fiz um comentário adicional. E sem rusgas no meu blog, por favor.